Frente ao cenário de precarização imposto aos servidores públicos, a CUT lançará nacionalmente a Campanha Brasil Forte: Servidores Públicos e Estatais de Qualidade. O lançamento acontece em audiência pública nesta quarta-feira (20), a partir das 9h, na Comissão dos Direitos Humanos do Senado Federal. O objetivo da ação é promover o debate e a luta contra os retrocessos promovidos pelo governo de Michel Temer.

De acordo com a secretária de Relações do Trabalho da CUT Nacional, Graça Costa, a campanha é regida por três pilares principais. O primeiro deles é a revogação da Emenda Constitucional 95, que congela por 20 anos os gastos públicos e investimentos nas áreas sociais. Aprovada em dezembro de 2016, o projeto já produz efeitos negativos em relação aos direitos sociais e ao reajuste do funcionalismo público. "Esse fator é bastante preocupante, ainda mais para um país que estava avançando nas discussões por um Brasil decente, inclusivo e igualitário, e agora estamos em um caminho completamente contrário", disse Graça. Outro eixo da ação está centrado na defesa das estatais. Para Graça, "é uma campanha contra as privatizações e a venda do patrimônio público".

O terceiro pilar da campanha pauta a valorização dos serviços públicos e das estatais. "Precisamos ter um serviço público de qualidade, que atenda as necessidades da sociedade. Para isso, é necessário que os trabalhadores tenham condições dignas de exercer suas tarefas. Isso envolve boas negociações coletivas, que não retirem direitos e não atentem contra o que já foi conquistado", afirma a dirigente.

Dentre as atividades previstas para a campanha, a Central Única dos Trabalhadores encabeçará plenárias regionais por todo país para debater sobre o tema com os movimentos sociais, políticos, populares e a sociedade em geral. As ações ocorrem em junho e julho, e está prevista uma grande mobilização a ser organizada em conjunto com diversos representantes de trabalhadores de estatais.

Fonte: CUT Brasília, com adaptações