ACT Embrapa: proposta mantém direitos

ACT Embrapa: proposta mantém direitos

Por: Diretoria Nacional | | Notícias gerais

ACT da Embrapa: proposta mantém direitos

O cenário atual de crise econômica, política e social tem como uma de suas características os ataques recorrentes à classe trabalhadora e aos direitos conquistados ao longo de uma história de lutas.

A Lei Complementar nº 173, sancionada em 27 de maio de 2020, é um exemplo claro dessa ofensiva, pois ela proíbe a realização de concursos e congela os salários dos trabalhadores e trabalhadoras em empresas públicas, como a Embrapa, até dezembro de 2021.

Aliado a isso, os desequilíbrios advindos da pandemia do novo coronavírus agravam ainda mais a crise vigente. Por isso, acreditamos que o cenário econômico para 2021 ainda será difícil, e a classe trabalhadora precisa se unir para manter empregos, lutar contra a terceirização e para manter as empresas da nossa base 100% públicas e democráticas.

Nesse cenário, depois de seis árduas rodadas virtuais de negociação com a defesa da pauta da categoria, a Comissão Nacional de Negociação do SINPAF e a Comissão de Negociação da Embrapa chegaram a uma proposta para fechamento do acordo coletivo.

A proposta prevê a manutenção integral das cláusulas do Acordo Coletivo vigente por dois anos e, por conta da Lei Complementar n° 173, ela não contempla reajustes econômicos.

Ficou acordado que a Embrapa levará proposta ao Conselho de Administração da Embrapa (Consad), na reunião do dia 26/06. Diante disso, o atual ACT será prorrogado por mais trinta dias, a partir de 30 de junho.

Caso a proposta das Comissões de negociação seja aprovada pelo Consad, ela será submetida à categoria por meio de enquete virtual, para aprovação ou rejeição, obtendo-se assim uma decisão democrática.

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo

Fale conosco