Descaso da unidade Milho e Sorgo com acervo técnico-científico da Embrapa é denunciado pelos empregados

O acervo geral contém mais de 50 mil publicações, como livros, periódicos, teses e dissertações, entre outros, adquiridos por meio de compra e doação, que são patrimônio da empresa. A devida gestão e preservação desses documentos é de fundamental importância para os processos de conhecimento e aprendizagem organizacional.

Por: Vânia Ferreira | | Notícias gerais

Descaso da unidade Milho e Sorgo com acervo técnico-científico da Embrapa é denunciado pelos empregados

Enquanto o Brasil está voltado para enfrentar a pandemia do Coronavírus, o chefe da Embrapa Milho e Sorgo aproveitou o momento da crise para determinar o fechamento da biblioteca da unidade. Nas principais empresas de pesquisa do mundo o acervo técnico-científico é valorizado e as bibliotecas facilitam a democratização do acesso à informação, mas nesse caso, o chefe-geral caminha na contramão do conhecimento.

O acervo geral contém mais de 50 mil publicações, como livros, periódicos, teses e dissertações, entre outros, adquiridos por meio de compra e doação, que são patrimônio da empresa. A devida gestão e preservação desses documentos é de fundamental importância para os processos de conhecimento e aprendizagem organizacional.

Para a diretoria da Seção Sindical Sete Lagoas, “ a valorização de modismos administrativos não condiz com a história de pesquisa da Embrapa. Em época de cerceamento da liberdade de imprensa, nada mais injusto que limitar também o acesso ao conhecimento”.

A determinação do chefe da unidade tem causado descontentamento nas bibliotecárias e bibliotecários. “Orientamos que o acervo seja mantido no local em que se encontra e que seja dado seguimento ao processo de avaliação, conforme planejamento de modernização das bibliotecas da Embrapa vigente. Além da inadequação técnica dessa tomada de decisão, o período de pandemia não é apropriado para a realização do processo”, denuncia a categoria.

A categoria alerta que encaixotar o acervo e colocá-lo em locais sem a presença do profissional bibliotecário e sem as condições adequadas o expõe a diversos riscos, ambientais, de extravio e perda.

Segundo os empregados, a argumentação do chefe geral para realizar esse desmonte é de que havia contratado uma empresa terceirizada para fazer pequenas reformas na unidade o que incluía também a troca do piso da sala da biblioteca. Contudo, os trabalhadores afirmam que mesmo antes de contratar a empresa terceirizada para a obra, o chefe da unidade já havia determinado que o acervo seria encaixotado.

Conforme a norma vigente da Embrapa, a responsabilidade pelo acervo documental bibliográfico é solidária entre o chefe-geral e o supervisor responsável pela biblioteca. “Com isso, toda e qualquer ação em desconformidade pode implicar penalização também para o empregado que esteja no cargo de supervisor durante essas medidas do chefe-geral. Esperamos que as chefias das unidades repensem suas atitudes, pois não podemos deixar que um acervo tão relevante para a pesquisa agropecuária se perca”, lamentam os bibliotecários.

| Mais do Sinpaf

SINPAF inicia negociação do ACT da Codevasf por videoconferência

“Mesmo com a pandemia do coronavírus e conjuntura adversa, o SINPAF está ativo para lutar pelos direitos dos trabalhadores. Estamos em um período de restrições econômicas e até sanitárias, mas a nossa luta precisa continuar”, enfatizou o presidente do SINPAF, Marcus Vinicius Sideruk Vidal.

Saiba mais

Sindicatos devem ser comunicados sobre acordos individuais de redução de salário

No entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), “o afastamento dos sindicatos de negociações, entre empregadores e empregados, com o potencial de causar sensíveis prejuízos aos trabalhadores, contraria a própria lógica do Direito do Trabalho, que parte da premissa da desigualdade estrutural entre os dois polos da relação laboral”.

Saiba mais

Organizações analisam medida que reduz salários e não garante manutenção de empregos

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (MP 936/20), publicado pelo Governo Federal em resposta à crise gerada pela pandemia do Coronavírus, na última quinta-feira (2/4), permite a redução de salários, não garante que empregos formais e direitos sejam mantidos e afronta a Constituição Federal.

Saiba mais

SINPAF tem liminar favorável à manutenção do teletrabalho na Codevasf

A Diretoria Nacional do SINPAF, articulada com as Seções Sindicais que atendem trabalhadores e trabalhadoras da Codevasf, ganhou na justiça recurso contra o Comunicado 5, emitido pela empresa na segunda-feira (30/03), que restringia ainda mais o trabalho remoto como medida protetiva para evitar a proliferação do Coronavírus.

Saiba mais

Codevasf ignora coronavírus e brinca com a vida dos trabalhadores

Diante dessa postura arbitrária, a assessoria jurídica do SINPAF está atuando para tomar todas as medidas judiciais cabíveis com o objetivo de garantir a segurança e a vida dos empregados.

Saiba mais

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo.

Fale conosco