Morre pioneira da agroecologia no Brasil, Ana Maria Primavesi

Por: Camila Bordinha em Segunda, 06 Janeiro 2020 | Categoria: Notícias gerais

Foto Reprodução

A pesquisadora chegou ao País em meados de 1948 e foi precursora nos estudos sobre preservação de solo e recuperação de áreas degradadas, onde priorizava a atividade biológica através do acúmulo de matéria orgânica.

Além de lecionar na Universidade Federal de Santa Maria, onde contribuiu para a organização do primeiro curso de pós-graduação em agricultura orgânica, a engenheira agrônoma continuou a contribuir com pesquisas na área mesmo após sua aposentadoria e ajudou a fundar a Associação da Agricultura Orgânica (AAO).

Referência mundial em agroecologia, Primavesi lançou as obras "A Convenção dos Ventos - agroecologia em contos", "Manual do Solo Vivo", e "Manual Ecológico de Pragas e Doenças".

A morte foi anunciada no site anamariaprimavesi.com.br e pelo Facebook, onde foi publicada uma linda homenagem:

"Um jatobá que tomba, centenário

Nossa querida Ana Maria Primavesi faleceu hoje, aos 99 anos de idade. Quase um século de vida, cerca de 80 anos dedicados à ciência no e do campo. Descansa uma mente notável, uma mulher de força incomum e um ser humano raro.

Afastada de suas atividades desde que passou a morar em São Paulo com a filha Carin, Ana recolheu-se.

Quase centenária, era uma alma jovem num corpo envelhecido que, mesmo se tivesse uma vitalidade para mais 200 anos, não acompanharia uma mente como a dela.

Annemarie Baronesa Conrad, seu nome de solteira, desde pequena apaixonou-se pela natureza, inspirada pelo pai. Naturalmente entrou para a faculdade de agronomia, mesmo Hitler tentando fazer com que as “cabeças pensantes” desistissem de estudar. Ela não só era uma das raras mulheres na faculdade como também aquela que destacou-se por seu talento natural em compreender o invisível: a vida microscópica contida nos solos.

Nestes 99 anos de vida, enfrentou todas as perdas que uma pessoa pode sofrer: irmãos, primos e tios na Segunda Guerra. Posteriormente, pai, mãe, marido. E seu caçula, Arturzinho, a maior das chagas, que é perder um filho.

Sua morte hoje, causada por problemas relacionados ao coração, encerra uma vida de lutas em vários âmbitos, o principal deles na defesa de uma agricultura ecológica, ou Agroecologia, termo que surge a partir de seus estudos e ensinamentos. Não parece ser à toa que esse coração, que aguentou tantas emoções (boas e ruins) agora precise descansar.

Nosso jatobá sagrado, cuja seiva alimentou saberes e por sob a copa nos abrigamos no acolhimento de compreendermos de onde viemos e para onde vamos, tomba, quase centenário. Ele abre uma clareira imensa que proporcionará ao sol debruçar-se sobre uma nova etapa, a da perpetuação da vida. E dos saberes que ela disseminou.

Antes de tombar, nosso jatobá sagrado lançou tantas sementes, mas tantas, que agora o mundo está repleto de mudas vigorosas, prontas a enfrentar as barreiras que a impediriam de crescer. Essas mudas somos todos nós, cada um que a amou em vida, cada um a seu modo.

Nossa gratidão pelo legado único que nos deixa essa árvore frondosa, cuja luta pelo amor à natureza prevaleceu. A luta passa a ser nossa daqui em diante, uma luta pela vida do solo, por uma agricultura respeitosa, por uma educação que se volte mais ao campo e suas múltiplas relações.

Ana Primavesi permanecerá perpetuamente em nossas vidas.

Como diz nosso querido amigo Fabio Santos, parafraseando Che Guevara:

“Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a Primavesi inteira.”

Fontes: Canal Rural, Brasil de Fato e site da Ana Maria Primavesi