Saiba como fica o desconto do INSS no salário após a reforma da previdência

A partir de março, as regras novas entram em vigor por completo. O desconto, que variava entre 8% e 11% do salário, agora vai de 7,5% a 14% para o setor privado e empregados públicos, e chega a 22% entre servidores públicos.

Por: Vânia Ferreira | | Notícias gerais

Saiba como fica o desconto do INSS no salário após a reforma da previdência

Com a reforma da Previdência aprovada no governo Bolsonaro, mudam os valores descontados dos salários dos trabalhadores brasileiros como contribuição ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A partir de março, as regras novas entram em vigor por completo. O desconto, que variava entre 8% e 11% do salário, agora vai de 7,5% a 14% para o setor privado e empregados públicos, e chega a 22% entre servidores públicos.

Veja as novas taxas:

 

•          7,5% até um salário mínimo (R$ 1.039,00);

•          9% para quem ganha entre R$ 1.039,01 R$ e 2.089,60.

•          12% para quem ganha entre R$ 2.089,61 e R$ 3.134,40.

•          14% para quem ganha entre R$ 3.134,41 e R$ 6.101,06.

 

A cobrança de impostos é inegavelmente uma preocupação do trabalhador. O Brasil está entre os países que mais taxam a população pobre: aqui, quem tem menos paga mais. “Se diminui a renda, diminui a nossa capacidade de compra, o que acaba prejudicando a economia, pois sem consumo interno, dificilmente o país sairá da recessão”, enfatiza Adilson Ferreira da Mota, diretor Jurídico e previdenciário do SINPAF.

| Mais do Sinpaf

SINPAF inicia negociação do ACT da Codevasf por videoconferência

“Mesmo com a pandemia do coronavírus e conjuntura adversa, o SINPAF está ativo para lutar pelos direitos dos trabalhadores. Estamos em um período de restrições econômicas e até sanitárias, mas a nossa luta precisa continuar”, enfatizou o presidente do SINPAF, Marcus Vinicius Sideruk Vidal.

Saiba mais

Sindicatos devem ser comunicados sobre acordos individuais de redução de salário

No entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), “o afastamento dos sindicatos de negociações, entre empregadores e empregados, com o potencial de causar sensíveis prejuízos aos trabalhadores, contraria a própria lógica do Direito do Trabalho, que parte da premissa da desigualdade estrutural entre os dois polos da relação laboral”.

Saiba mais

Organizações analisam medida que reduz salários e não garante manutenção de empregos

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (MP 936/20), publicado pelo Governo Federal em resposta à crise gerada pela pandemia do Coronavírus, na última quinta-feira (2/4), permite a redução de salários, não garante que empregos formais e direitos sejam mantidos e afronta a Constituição Federal.

Saiba mais

SINPAF tem liminar favorável à manutenção do teletrabalho na Codevasf

A Diretoria Nacional do SINPAF, articulada com as Seções Sindicais que atendem trabalhadores e trabalhadoras da Codevasf, ganhou na justiça recurso contra o Comunicado 5, emitido pela empresa na segunda-feira (30/03), que restringia ainda mais o trabalho remoto como medida protetiva para evitar a proliferação do Coronavírus.

Saiba mais

Codevasf ignora coronavírus e brinca com a vida dos trabalhadores

Diante dessa postura arbitrária, a assessoria jurídica do SINPAF está atuando para tomar todas as medidas judiciais cabíveis com o objetivo de garantir a segurança e a vida dos empregados.

Saiba mais

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo.

Fale conosco