| Notícias das Seções Sindicais | Por: Vânia Ferreira

Empregados da Embrapa Informática Agropecuária, localizada no campus da Unicamp, em Campinas-SP, realizaram na última quinta-feira (31/8) um protesto contra o impasse em torno do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

A manifestação aconteceu no dia que a diretoria da Embrapa se posicionou pela aceitação da proposta do Tribunal Superior do Trabalho (TST), referente à inclusão da cláusula sobre insalubridade na prorrogação parcial do ACT 2016-2017, além das 11 cláusulas propostas e rejeitadas anteriormente pela categoria.

"Eu digo não ao ACT parcial", "Colegas, não nos deixem lutar sozinhos", "ACT na íntegra, já" e "Diretoria, não desampare os empregados, somos todos Embrapa!" e "Maurício, não suprima nossos direitos", foram algumas das frases da mobilização.  

"Foi a maneira que encontramos, neste primeiro momento, de mostrar à diretoria da Embrapa que todos estamos insatisfeitos com essa decisão", explicou José Carlos Baldissera, trabalhador da unidade.

Para Renato Maciel, outro empregado da Informática Agropecuária, “é importante que os colegas de outras unidades se unam, demonstrem sua revolta e tenham uma posição firme contra esse ataque ao nosso ACT. Não podemos tolerar essa agenda de enxugamento da Embrapa".

O ato, apoiado pela Seção Sindical Campinas e Jaguariúna, foi realizado em frente à unidade. A proposta dos empregados que participaram da mobilização é que se mantenha o ACT na íntegra, até o julgamento do dissídio coletivo do CT 2017-2018 pelo TST, assim como tem sido feito em várias empresas públicas federais, segundo a diretoria da Seção Sindical Campinas e Jaguariúna.  

A mobilização continuou nas redes sociais, com as manifestações feitas com a #ACTINTEGRALJÁEMBRAPA.

| Notícias das Seções Sindicais | Por: Vânia Ferreira

A diretoria da Seção Sindical Cruz das Almas realizou na última sexta-feira (1º/9) uma mobilização dos trabalhadores da unidade Mandioca e Fruticultura, contra a postura intransigente da Embrapa de não querer prorrogar a íntegra do ACT 2016-2017 e contra os cortes orçamentários na verba destinada aos projetos de pesquisa.

De acordo com o presidente da Seção Cruz das Almas, Antônio Marcos Pereira, “a Embrapa já retirou o café da manhã de alguns trabalhadores, fornecendo apenas para as funções que estão contempladas em sua Norma Interna”.

“Compramos vários patinhos amarelos, simbolizando que os trabalhadores da Embrapa não podem "pagar o pato" e merecem mais respeito por tudo que fazem em prol da agricultura e sociedade brasileira”, disse Antônio Marcos.

Durante a manifestação, alguns trabalhadores aproveitaram para improvisar versos de um repente, demonstrando por meio da música a insatisfação dos empregados diante da invalidação do acordo coletivo da categoria.

Confira o repente:

A LIDA DO TRABALHADOR DA CIÊNCIA CONTRA A VACILAÇÃO E O TEMEROSO ACORDÃO

 

Trem das onze é pra boêmio

Minha lida é às cinco

Pra dar o pão dos “bacurizinhos”

Vou à labuta e não minto

Não podemos ceder demais

Senão a empresa faz

A gente apertar o cinto

 

Trem das onze é coisa velha

Lhe digo coisa mais jovem

Quem aceita as onze cláusulas

Nunca mais vê as outras quarenta e nove

Vira trabalhador(a) pelego

Que labuta sem ter arrego

Refém das medidas que aprove

 

Se nas estratégias da empresa

Figuram a pressão e o medo

Precisamos dar moral e abrigo

Ao(À) lutador(a) que acorda cedo

E não pode ser temeroso

Se não quiser acordar com o Tinhoso

Do lado lhe fazendo arremedo

O egoísmo fica de lado

O ânimo se arrupia

A consciência tem que ser coletiva

Quem quer se informar se filia

Por isso lhe peço atenção

O lucro é bem mais de um bilhão

Cadê a nossa fatia?

 

Negociar faz parte da luta

Não cair na arapuca é sapiência

Nessas horas é bom lembrar

Que zombaram da inteligência

Fazendo propostas indecentes

Sejamos então combatentes

A união faz nossa resistência

 

Se o Acordo é Coletivo

A luta também tem que ser

E manter-se assertivo e alerta

Pra depois não se arrepender

De trem, bonde ou buzão

Estamos na mesma missão

Quem faz a luta é você.

 

“Eu nasci pobre

Mas não nasci otário

Eu é que não caio

No conto do vigário

Eu tenho fé em Deus

Pra resolver qualquer parada” – Chorão

 

Veja mais fotos:

 

 

 

| Notícias das Seções Sindicais | Por: Camila Bordinha

A Seção Sindical Campo Grande-MS (SSCG) inaugurou, no dia 11 de agosto, a sede social do Sindicato, que fica na entrada da unidade Gado de Corte, e deverá abrigar eventos como de formação sindical, comemorações, atividades de saúde do trabalhador, plenárias, entre outros.

O novo espaço foi construído na gestão do então presidente da Seção Campo Grande, Oguimar Aparecido Flores da Silva, que atualmente está licenciado. De acordo com ele, a construção do local só foi possível devido ao incentivo do presidente do SINPAF, Carlos Henrique Garcia, e o apoio de toda a Diretoria Nacional gestão 2016/2019.

“Sem o apoio e a força de vontade dessa Diretoria Nacional não teríamos conseguido adquirir o terreno e levantar essa estrutura, que ainda vai trazer muitos bons frutos para os filiados e para os demais trabalhadores dessa região”, explicou o presidente licenciado em referência, também, às unidades de Corumbá e Dourados, que também ficam no estado de Mato Grosso do Sul.

Conforme explicou Oguimar, antes a Seção Sindical utilizava o espaço da própria unidade da Embrapa ou da Associação dos Empregados (AEE), o que dependia da agenda de cada um dos parceiros para a realização de qualquer evento.

“Agora, a estrutura possui, além do salão social, banheiros e churrasqueira, e foi construída em cinco meses, num espaço entre três terrenos, que abriga, ainda, o escritório da SSCG”, contou o dirigente.

A Diretoria Nacional do SINPAF prestigiou a celebração, representada pela diretora Administrativo-financeira, Guiomar Carvalho, e o diretor de Formação Sindical, Roberto Scaramello.  

| Notícias das Seções Sindicais | Por: Vânia Ferreira

Reunidos pela Seção Sindical Pelotas, pesquisadores da Embrapa Clima Temperado produziram um documento apontando os principais problemas que precisam ser resolvidos com ações efetivas por parte dos dirigentes da empresa, para não comprometer ainda mais os projetos de pesquisa da empresa.

O documento foi protocolado e, posteriormente, entregue ao presidente da Embrapa Maurício Lopes durante reunião realizada entre os dirigentes do SINPAF, a presidência e a diretoria executiva da empresa, na última quinta-feira (3/8).

De acordo com o presidente da Seção Sindical Pelotas, Julio Bicca, o documento foi resultado de uma reunião que a Seção promoveu com o grupo de pesquisadores da Embrapa Clima Temperado, para discutir as dificuldades que a pesquisa está enfrentando diante do atual cenário político e econômico do país.

“Nesse momento de crise, a ciência brasileira está correndo riscos diante de volumosos cortes orçamentários, os quais terão prejuízos irreversíveis para a sociedade”, disse Bicca.

Entre os vários pontos abordados na carta dos pesquisadores, a reposição do quadro de assistentes, por meio de concurso público, é solicitada como uma medida urgente.

“Precisamos com urgência da reposição do quadro de assistentes (apoio à pesquisa), via concurso público, para garantir o andamento das pesquisas com pessoal qualificado e comprometido com o seu papel dentro dos projetos e da Embrapa” afirmam os pesquisadores.

Clique nos documentos abaixo e veja todos os pontos levantados pelo grupo de pesquisadores da Embrapa Clima Temperado.

 

- Ofício da Seção Sindical Pelotas

- Anexo 1

- Anexo 2

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo.

Fale conosco