A manutenção do isolamento social é a única medida para preservar a vida

Por: Diretoria Nacional em Terça, 23 Fevereiro 2021 | Categoria: Notícias gerais

O Brasil está vivendo um verdadeiro caos nesse momento de pandemia. Já temos quase 10,2 milhões de casos confirmados e estamos nos aproximando de 250 mil mortes. Somos o segundo país em número de óbitos e o terceiro em número de casos no mundo. E a situação piora a cada dia.

O governo federal, inconsequente e irresponsável, procura jogar na mão das(os) trabalhadoras(es) a responsabilidade de fazer a economia voltar a crescer, transparecendo que, apesar da pandemia, a rotina precisa retornar ao normal, independentemente de quantas milhares de vidas serão perdidas.

Nesse sentido, seguindo essa lógica perversa e de manutenção do lucro de poucos, muitas empresas têm pressionado para o retorno ao trabalho presencial em plena pandemia. No caso das empresas públicas, os dirigentes, preocupados com a manutenção de seus cargos, vêm atuando de forma a desconsiderar a necessidade de dar continuidade às medidas de segurança e ao isolamento social até a devida imunização da população, como preconizado pelas autoridades sanitárias de todo o mundo.

Na Embrapa, empresa referência em ciência, tecnologia e inovação, as recomendações feitas por instituições científicas e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) estão sendo jogadas na lata do lixo. A Diretoria da empresa titubeia em manter o isolamento social, sinalizando que essa decisão será delegada às chefias das Unidades, mostrando, mais uma vez, a falta de liderança e de respeito para com o maior patrimônio da empresa: a Vida das(os) trabalhadoras(es).

Por tudo isso, a Diretoria Nacional do SINPAF comunica à categoria que está envidando todos os esforços e trabalhando incessantemente, em conjunto com as Seções Sindicais de todo o país, para que o isolamento social seja prorrogado até que toda a população seja vacinada.

Deixamos ainda bem claro para a Diretoria Executiva, Chefes de Unidades e demais gestores da Embrapa que, caso o retorno precipitado e irresponsável seja implementado e algo de mais grave aconteça às(aos) trabalhadoras(es), o SINPAF poderá responsabilizar os gestores na esfera civil e penal.

A Vida é mais importante!