Nesta quinta-feira (10/5), foi encerrada a 22ª Plenária Regional Centro-Oeste, realizada em Campo Grande-MS.

Em três dias de discussões, a Plenária abordou temas que vêm paulatinamente prejudicando os trabalhadores, como alterações na legislação trabalhista, resoluções sobre os planos de saúde de autogestão, participação das mulheres do movimento sindical, ambiente de trabalho favorável ao adoecimento, formação sindical, entre outros.

SAÚDE DO TRABALHADOR – No início da manhã, o diretor de Saúde do Trabalhador, Nilson Carrijo, apresentou o planejamento da pasta. Entre as ações agendadas, está a realização do 4º Seminário Nacional de Saúde do Trabalhador, que acontecerá em setembro, abordando o adoecimento no ambiente de trabalho originado por situações de assédio moral e sexual.

CONJUNTURA PARA ATUAÇÃO DA CNN – A técnica do Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas (Dieese), a economista Andréia Ferreira, fez uma breve análise da situação das negociações coletivas relativas aos períodos 2017-2018 e 2018-2019, descrevendo um cenário hostil para os trabalhadores diante do governo vigente.

Andréia citou empresas como EBC e Serpro, cujos trabalhadores ainda estão aguardando decisões quanto ao índice econômico para fechar os acordos coletivos do ano passado. “Estamos vivenciando um tensionamento junto ao governo em 29% dos acordos coletivos”, afirmou.