Na tarde desta quarta-feira (21), a pauta da Plenária Nordeste abriu espaço para tratar especificamente sobre os dissídios dos trabalhadores da Embrapa e da Codevasf, que ainda não estão com datas marcadas para julgamento no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

O presidente do SINPAF, Carlos Henrique Garcia, explicou aos delegados que o colegiado do TST julga processos de dissídio apenas uma vez por mês. A última atualização do andamento dos dissídios foi no final do mês de fevereiro, quando as duas empresas apresentaram contestações para os acordos coletivos e os documentos foram encaminhados para análise e parecer da Procuradoria Geral do Trabalho (PGT).

Após a documentação retornar ao TST com o parecer da Procuradoria, o Tribunal seguirá com o agendamento da sentença, conforme publicado no site do Sindicato.

O presidente do SINPAF falou ainda que a suspensão da súmula 277 trouxe insegurança para a garantia dos direitos dos trabalhadores durante as negociações coletivas. “As empresas começaram a retirar direitos a partir da suspensão dessa súmula”.

NOVO ACORDO – Os delegados da Plenária Nordeste escolheram dois representantes, um titular e um suplente, para compor a Comissão de Negociação do próximo ACT (2018-2019) da Embrapa. No caso do ACT da Codevasf, todos os presidentes das oito Seções Sindicais participam das negociações.