Com o tema central "Povos, Territórios e Movimentos em Resistência" e o slogan "Resistir é criar, resistir é transformar", o Fórum Social Mundial (FSM) 2018, a ser realizado entre terça (13) e sábado (17), em Salvador-BA, é um evento de resistência contra os retrocessos e os ataques à democracia no Brasil.

O FSM é uma iniciativa da sociedade civil organizada, nascida em Porto Alegre, em 2001, para promover um encontro democrático, plural e de resistência, com o objetivo de incentivar debates, aprofundar a reflexão coletiva, a troca de experiências e a constituição de coalizões e de redes entre os movimentos da sociedade civil e organizações comunitárias que se opõem ao neoliberalismo e ao domínio do capital.

Promovido a cada dois anos, nos intervalos são realizados fóruns temáticos descentralizados e autônomos para dar seguimento às articulações e reflexões críticas nos diferentes países e regiões participantes.

Com programação vasta e diversificada (clique aqui), o evento terá cerca de 1.300 atividades e deve reunir em torno de 60 mil pessoas durante cinco dias. O Campus de Ondina, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), além de outros locais da capital baiana, como o Parque do Abaeté, em Itapuã, e o Parque São Bartolomeu, no Subúrbio Ferroviário da cidade, serão palcos para os encontros do público participante.

Segundo os organizadores, são esperadas cerca de 60 mil pessoas, de 120 países como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alemanha, Tunísia, Guiné, Senegal, além de países sul-americanos e representações nacionais para debater e definir novas alternativas e estratégias de enfrentamento ao neoliberalismo, aos golpes e genocídios que diversos países enfrentam na atualidade.

PROGRAMAÇÃO DO SINPAF – O SINPAF promoverá na Tenda do Trabalhador quatro palestras durante a realização do Fórum. Os eventos serão abertos ao público e aos integrantes da base do Sindicato que participarão do FSM.

É importante lembrar que as principais atividades do FSM 2018 serão realizadas no Campus Ondina, da UFBA, onde, entre outras estruturas, ficará a tenda da CUT Brasil, dos movimentos sociais e sindical, inclusive do SINPAF. Veja a nossa programação:

Dia 13/03

Palestra 1 – SOS Rio São Francisco – As Consequências da Poluição e Assoreamento do Rio (13h às 14h)

Palestrante: Carlos Hermínio de Aguiar Oliveira - Engenheiro Civil e Analista da Companhia de Desenvolvimento do Vale São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

 

Palestra 2- Agricultura Familiar e Fixação no Campo (14h às 15:30h)

Mediador: Osvaldo da Paz – vereador (PT) de Cruz das Almas e empregado da Embrapa

Palestrantes: Elisângela Araújo (CUT Nacional);

Elaine de Jesus dos Santos (COOPATAM), agricultora familiar;

Jerônimo Rodriguez (secretário estadual de Desenvolvimento Rural do Estado da Bahia); e

Alberto Feiden – Diretor de Formação da Seção Sindical Pantanal do SINPAF

 

Dia 16/3

Palestra 1 – Sisteminha Embrapa como Ferramenta de Desenvolvimento Social e Econômico para o Mundo  (13h às 14h)

Palestrante - Luiz Carlos Guilherme - Pesquisador da Embrapa Meio-Norte, doutor em Genética e Bioquímica pela Universidade Federal de Uberlândia.

 

Palestra 2 - Por uma Embrapa pública e democrática  (14h às 15:30h)

Mediadora: Maria do Socorro Gonçalves Ferreira Socorro –Diretora da Seção Sindical Pará –SINPAF e pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental

Palestrantes:

Antonio Maciel – Pesquisador da Embrapa e membro representante dos trabalhadores no CONSAD da Embrapa;

Mário Urchei  - pesquisador da Embrapa e presidente do SINPAF-  Seção Sindical Campinas/Jaguariúna;

Alice Portugal  - deputada federal (PCdoB-BA),  relatora do PL Embrapatec;

Ana Georgina – Supervisora Técnica Regional do DIEESE/Bahia

* Lançamento do Manifesto do Fórum Nacional em Defesa da Embrapa Pública e Democrática