| Notícias gerais | Por: Vânia Ferreira

O senador Paulo Paim (PT-RS) leu, nesta terça-feira (5), um manifesto assinado por diversos juízes do trabalho no qual há um alerta sobre o risco que o momento político traz à Justiça do Trabalho e um compromisso desses profissionais de continuar avançando na defesa dos direitos trabalhistas.

De acordo com o documento lido por Paim, a lógica de se buscar um equilíbrio para situações de crise política por meio da supressão de direitos e contenção da organização dos trabalhadores ocorreu em vários momentos da história brasileira.

Os juízes, no manifesto, se declaram preocupados com o advento de uma solução conciliada para a crise política que, “sem comprometer os interesses partidários em jogo, imponha sacrifício aos direitos trabalhistas”.

“A estabilidade política, assim, pode vir a ter como preço a retração de direitos trabalhistas. Retrocessos imediatos se dariam nos temas a respeito das dispensas coletivas, no direito de greve e na terceirização, correndo-se o risco de atingir, em breve, o instituto da estabilidade no emprego dos servidores públicos”, explicaram os juízes.

Assim como os juízes, Paim também ressaltou a disposição em impor resistência a qualquer ação que busca extirpar os direitos trabalhistas da Constituição e destruir a Justiça do Trabalho.

Fonte: DIAP

| Notícias gerais | Por: Camila Bordinha

A Diretoria Nacional comunica que a 18ª Plenária Nacional será realizada nos dias 26 e 27 de abril, no seguinte endereço: Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC), SGAS, W5, Bloco C, lote 65, Asa Sul, Brasília-DF.

Diretoria Nacional

| Notícias gerais | Por:

O presidente do SINPAF Nacional, Julio Guerra, visitou o gabinete da Senadora Regina Sousa, da bancada do PT, na tarde de ontem (5/4) para buscar apoio político contra o chamado Estatuto das Estatais, o Projeto de Lei do Senado 555/15.

Segundo Regina, a categoria vai precisar intensificar ainda mais as mobilizações em virtude das características conservadoras da liderança da Câmara dos Deputados. “O PL está agora na Câmara e isso significa que é preciso se mobilizar ainda mais. Dessa casa, podemos esperar as piores decisões para privatizar as nossas empresas públicas”, destacou.

Durante a reunião, além de enfatizar a ameaça que representa o PLS 555 para a Embrapa e para os seus trabalhadores, Julio ressaltou sobre a urgente necessidade de concurso público e sobre as tentativas de terceirização da atividade de campo nas unidades da empresa.

Diante dos fatos mencionados pelo presidente do SINPAF, a Senadora se comprometeu em intervir em qualquer tomada de decisão política que prejudique a estrutura da Embrapa e que seja um retrocesso para os empregados.

 

| Notícias gerais | Por:

O Movimento Abril Verde nasceu com a proposta de relembrar um marco na história. Em 1969, uma terrível explosão aconteceu em uma mina nos Estados Unidos. Foram 78 trabalhadores mortos.

Segundo relatório da OIT de 2013, são 3 vidas perdidas por minuto em acidentes de trabalho pelo mundo e 5 mil por dia. No Brasil, são 4 mil mortes por ano. Mas o trabalho não envolve o risco somente de acidentes, mas também o de doenças. No mundo, são 160 milhões de pessoas que sofrem com doenças profissionais e 2,02 milhões de pessoas que morrem a cada ano em decorrência de enfermidades relacionadas ao trabalho.

Sobre o movimento

O Movimento Abril Verde é iniciativa do Sindicato dos Técnicos de Segurança do Paraná (SINTESPAR) e tem como objetivo colocar em pauta para o governo e a sociedade, o tema segurança e saúde do trabalhador brasileiro com vistas à redução dos acidentes de trabalho.

Abril Verde foi o mês escolhido porque no dia 7 se comemora o Dia Mundial da Saúde e no dia 28, o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes do Trabalho, proposta pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) a todos os países membros.

Verde foi a cor escolhida por ser associada aos cursos relacionados à saúde. O símbolo do Movimento é o laço verde, assim como o laço do Outubro Rosa e de outros tantos movimentos da sociedade em torno de uma causa nobre.

Adir de Souza, idealizador do Movimento Abril Verde, técnico da Fundacentro do Paraná e também presidente do SINTESPAR comenta que a intenção do movimento é que seja uma ação coordenada entre a sociedade civil chamando a atenção para os altos índices de acidentes fatais e sequelas decorrentes das atividades laborais. “O Abril Verde é mais que uma data, é um momento de alerta que deve repercutir em todas as esferas”, ressalta.

Acompanhando o apelo social de outros movimentos, como o “Outubro Rosa”, “Novembro Azul” e “Maio Amarelo”, os quais tratam dos temas câncer de mama, próstata e vítimas de acidentes de transito, o Abril Verde serve de estimulo na promoção de atividades voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro do ambiente de trabalho.

Vale ressaltar que o Abril Verde, como o próprio nome traduz, é um movimento, uma ação, não uma campanha, ou seja, cada cidadão, entidade ou empresa pode utilizar o laço do “ABRIL VERDE” em suas ações de conscientização tanto no mês de ABRIL como em outros meses do ano.

Com informações do Ministério do Trabalho

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo.

Fale conosco