Dissídio Coletivo da Embrapa segue para análise da Vice-Presidência do TST

Por: Camila Bordinha | | Notícias gerais

Em 28/03/2018, o Dissídio Coletivo SINPAF/Embrapa, que está em trâmite no Tribunal Superior do Trabalho (TST), sofreu movimentação, com retorno do Ministério Público do Trabalho (MPT) para o Tribunal.

O MPT emitiu parecer (Clique aqui para ler o documento) sobre o Dissídio Coletivo, indicando o acolhimento parcial do pedido de reajuste, com aplicação do percentual de 3,91% sobre as cláusulas econômicas do Acordo Coletivo de Trabalho 2017-2018 da Embrapa.

Imediatamente ao seu retorno ao Tribunal, os autos seguiram conclusos para o Vice-Presidente do TST, Ministro Renato Lacerda Paiva, para análise acerca do prosseguimento do processo.

É importante ressaltar que a forma de se conduzir o processo depende, única e exclusivamente, do entendimento do Ministro Vice-Presidente nos termos dos art. 864 da CLT c/c inciso III do art. 42 do Regimento Interno do TST:

"Art. 864 - Não havendo acordo, ou não comparecendo ambas as partes ou uma delas, o presidente submeterá o processo a julgamento, depois de realizadas as diligências que entender necessárias e ouvida a Procuradoria."

"Art. 42. Compete ao Vice-Presidente:
III - designar e presidir audiências de conciliação e instrução de dissídio coletivo de competência originária do Tribunal;"

Portanto, caso o Ministro Vice-Presidente entenda que o SINPAF deva se manifestar sobre a defesa de documentos apresentados pela Embrapa, ele pode, a seu juízo, determinar a apresentação de réplica que deve ser apresentada pelo Sindicato, em regra, no prazo de 8 (oito) dias. Ainda nessa fase, o Ministro Vice-presidente poderá determinar a realização de diligências diversas designadas ao seu critério, se entender necessário.

Porém, se o Ministro Vice-presidente entender que o Dissídio Coletivo está pronto para ser levado a julgamento, será sorteado o relator do processo, o qual proferirá o seu voto.

Após isso, o processo será incluído em pauta de julgamento da Seção Especializada em Dissídios Coletivos, ocasião em que será julgado e proferida a sentença normativa.

Ressaltamos ainda que não existe previsão legal estabelecendo prazos ao Tribunal para proferir voto e nem para incluir Dissídio Coletivo em pauta de julgamento. Tudo depende da agenda interna do Tribunal e dos Ministros, seu volume de trabalho, dentre outros fatores, razão pela qual ficam bastante limitadas as possibilidades de intervenção do SINPAF buscando maior celeridade processual, o que dificulta prever datas em que serão realizados os julgamentos.

“A assessoria jurídica que acompanha o processo tem agido, ao longo dos anos, de forma bastante profissional e responsável, com o devido acompanhamento e despachando semanalmente dentro do TST e demais tribunais. Além disso, existe compromisso do TST com o Sindicato sobre dar atenção e agilidade ao Dissídio, firmado e registrado em Ata, em declaração do Dr. Emmanoel Pereira, ex-Vice-Presidente do TST”, explicou o presidente do SINPAF, Carlos Henrique Garcia. 

Diferente do que foi recentemente publicado por uma Seção Sindical, o processo de Dissídio Coletivo da Embrapa tem seguido sua tramitação normal, conforme claramente demonstra o cronograma abaixo, especialmente ao considerarmos o período de recesso judiciário, uma vez que esse tempo não conta para fins de prazo processual.

19/12/2017 – Fechamento do ACT (CLÁUSULAS SOCIAIS).

20/12/17 a 22/01/18 – RECESSO JUDICIÁRIO.

23/02/18 – Envio do processo para análise e parecer da PGT.

28/03/18 – Retorno do processo conclusão da PGT para o TST.

Novas atualizações sobre o Dissídio Coletivo da Embrapa serão informadas nos meios de comunicação do SINPAF.

Para acompanhar o processo acesse o site www.tst.jus.br o processo judicial eletrônico / DC - 14501-41.2017.5.00.0000.

Veja a atualização do processo:

 

| Mais do Sinpaf

SINPAF inicia negociação do ACT da Codevasf por videoconferência

“Mesmo com a pandemia do coronavírus e conjuntura adversa, o SINPAF está ativo para lutar pelos direitos dos trabalhadores. Estamos em um período de restrições econômicas e até sanitárias, mas a nossa luta precisa continuar”, enfatizou o presidente do SINPAF, Marcus Vinicius Sideruk Vidal.

Saiba mais

Sindicatos devem ser comunicados sobre acordos individuais de redução de salário

No entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), “o afastamento dos sindicatos de negociações, entre empregadores e empregados, com o potencial de causar sensíveis prejuízos aos trabalhadores, contraria a própria lógica do Direito do Trabalho, que parte da premissa da desigualdade estrutural entre os dois polos da relação laboral”.

Saiba mais

Organizações analisam medida que reduz salários e não garante manutenção de empregos

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (MP 936/20), publicado pelo Governo Federal em resposta à crise gerada pela pandemia do Coronavírus, na última quinta-feira (2/4), permite a redução de salários, não garante que empregos formais e direitos sejam mantidos e afronta a Constituição Federal.

Saiba mais

SINPAF tem liminar favorável à manutenção do teletrabalho na Codevasf

A Diretoria Nacional do SINPAF, articulada com as Seções Sindicais que atendem trabalhadores e trabalhadoras da Codevasf, ganhou na justiça recurso contra o Comunicado 5, emitido pela empresa na segunda-feira (30/03), que restringia ainda mais o trabalho remoto como medida protetiva para evitar a proliferação do Coronavírus.

Saiba mais

Codevasf ignora coronavírus e brinca com a vida dos trabalhadores

Diante dessa postura arbitrária, a assessoria jurídica do SINPAF está atuando para tomar todas as medidas judiciais cabíveis com o objetivo de garantir a segurança e a vida dos empregados.

Saiba mais

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo.

Fale conosco