Quantos terão que morrer?

A Embrapa ainda não se deu conta que preservar a segurança e a saúde dos trabalhadores e trabalhadoras é o caminho para a manutenção da Empresa. Parecem estar mais preocupados em manter seus assentos. Não existe laboratório, campo experimental, casa de vegetação, gerente ou supervisor se não existir vida. E, hoje, ela está correndo risco.

Por: Vânia Ferreira | | Notícias gerais

A postura mais responsável é daquele que previne e não do que remedia.

Em meio à pandemia do Corona vírus, a Diretoria da Embrapa continua agindo de modo irresponsável.

O número de infectados aumenta exponencialmente no país, com confirmação de casos em Goiás, Bahia, Tocantins, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Distrito Federal, entre outros locais, e os diretores continuam preocupados em fazer planos de trabalho e preencher formulários.

Ainda não se deram conta que preservar a segurança e a saúde dos trabalhadores e trabalhadoras é o caminho para a manutenção da Empresa. Parecem estar mais preocupados em manter seus assentos. Não existe laboratório, campo experimental, casa de vegetação, gerente ou supervisor se não existir vida. E, hoje, ela está correndo risco.

A notícia que circula em todos os jornais do mundo é a velocidade do alastramento do Coronavírus. Experiência de outros países demonstra que a postura mais eficaz para o controle da doença é o isolamento (distanciamento social). Na Embrapa, a liberação dos trabalhadores é a medida que precisa ser adotada para que o vírus seja contido e não se precise escolher quem deverá viver ou morrer.

Os gestores de vários estados brasileiros estão publicando decretos, restringindo a aglomeração e o convívio coletivo de pessoas. Permanece a pergunta: para que esperar mais se podemos fazer a diferença? Essa seria a escolha natural daqueles que preferem ser líderes a burocratas. A escolha entre ser subserviente ou responsável. Essas escolhas podem sinalizar a resposta à pergunta inicial: quantos terão que morrer?

Uma empresa forte é aquela que respeita a saúde e a vida de seus trabalhadores e trabalhadoras. Nessa pandemia, quanto antes nos separarmos, mais breve estaremos juntos!!!!!

| Mais do Sinpaf

SINPAF inicia negociação do ACT da Codevasf por videoconferência

“Mesmo com a pandemia do coronavírus e conjuntura adversa, o SINPAF está ativo para lutar pelos direitos dos trabalhadores. Estamos em um período de restrições econômicas e até sanitárias, mas a nossa luta precisa continuar”, enfatizou o presidente do SINPAF, Marcus Vinicius Sideruk Vidal.

Saiba mais

Sindicatos devem ser comunicados sobre acordos individuais de redução de salário

No entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), “o afastamento dos sindicatos de negociações, entre empregadores e empregados, com o potencial de causar sensíveis prejuízos aos trabalhadores, contraria a própria lógica do Direito do Trabalho, que parte da premissa da desigualdade estrutural entre os dois polos da relação laboral”.

Saiba mais

Organizações analisam medida que reduz salários e não garante manutenção de empregos

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (MP 936/20), publicado pelo Governo Federal em resposta à crise gerada pela pandemia do Coronavírus, na última quinta-feira (2/4), permite a redução de salários, não garante que empregos formais e direitos sejam mantidos e afronta a Constituição Federal.

Saiba mais

SINPAF tem liminar favorável à manutenção do teletrabalho na Codevasf

A Diretoria Nacional do SINPAF, articulada com as Seções Sindicais que atendem trabalhadores e trabalhadoras da Codevasf, ganhou na justiça recurso contra o Comunicado 5, emitido pela empresa na segunda-feira (30/03), que restringia ainda mais o trabalho remoto como medida protetiva para evitar a proliferação do Coronavírus.

Saiba mais

Codevasf ignora coronavírus e brinca com a vida dos trabalhadores

Diante dessa postura arbitrária, a assessoria jurídica do SINPAF está atuando para tomar todas as medidas judiciais cabíveis com o objetivo de garantir a segurança e a vida dos empregados.

Saiba mais

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo.

Fale conosco