SINPAF intensifica defesa de trabalhadoras e trabalhadores e das pesquisas na UEP Parnaíba e Embrapa não apresenta justificativa para desmonte

SINPAF intensifica defesa de trabalhadoras e trabalhadores e das pesquisas na UEP Parnaíba e Embrapa não apresenta justificativa para desmonte

Por: Camila Bordinha | | Notícias gerais

Em mais uma tentativa de diálogo com a Embrapa, para interromper o processo de desmonte da Unidade de Execução de Pesquisa (UEP) Parnaíba, no Piauí, diretores do SINPAF reuniram-se, virtualmente, com o Diretor Executivo de Gestão Institucional, Tiago Toledo Ferreira, nesta quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.
 
O diretor da empresa, por sua vez, não apresentou justificativas técnicas para o esvaziamento da unidade e reafirmou que a Diretoria Executiva da Embrapa irá continuar com o processo de transferência de 26 trabalhadoras e trabalhadores da UEP Parnaíba para a Embrapa Meio-Norte, em Teresina-PI.
 
Pesquisadores locais, inclusive, já formalizaram via SEI a inviabilidade de continuação dos projetos de pesquisa em andamento, caso as transferências sejam concretizadas. Ou seja: a UEP Parnaíba vai parar!  
 
No discurso do gestor, o processo implantado visa fortalecer a unidade. Por essa lógica, desmontar e inviabilizar a UEP tornaria suas ações e pesquisas mais fortes e mais presentes. Um verdadeiro sofisma, um argumento equivocado!!!
 
Para fortalecer a Unidade de Execução de Pesquisa não cabe promover transferência de pessoal, esvaziamento, corte de pesquisas, fechamento de laboratórios. Ou seja, não cabe o que está se tentando fazer hoje com essa unidade.
 
A quem a Embrapa busca convencer com esse discurso contraditório? Não há outra palavra para o que está acontecendo na UEP senão o DESMONTE, sim!
 
Com a esperança de encaminhar uma solução realista e amparada em bases democráticas, o SINPAF encaminhou mais uma carta para Diretoria Executiva da Embrapa, em que solicita atitudes da empresa para a resolução do impasse:
 
1- Suspensão imediata das transferências de pessoal da unidade;
 
2- Acesso ao estudo técnico (que a empresa diz ter realizado para executar o que chama de "reestruturação" da unidade); e
 
3- A formação de uma Comissão composta pelo Sindicato, representantes da empresa, de trabalhadoras e trabalhadores, produtores locais, parlamentares e da sociedade civil organizada.
 
Além dessas propostas, o SINPAF aguarda também por respostas plausíveis e coerentes:
 
Onde estão os estudos técnicos que amparam as justificativas de DESMONTE DA UEP PARNAÍBA?
 
Por que a falta de diálogo da Chefia da Embrapa Meio-Norte com o sindicato?
 
Por que inviabilizar projetos de pesquisa já em andamento que beneficiam a comunidade local?
 
Por que os produtores locais e a sociedade não foram ouvidos pela Diretoria da Embrapa?
 
A Diretoria Nacional do SINPAF e a diretoria da Seção Sindical Parnaíba continuam na defesa das trabalhadoras e dos trabalhadores e, além disso, na luta pela manutenção das pesquisas que são fundamentais para o desenvolvimento e progresso da comunidade local.
 
 
Leia abaixo as últimas notícias sobre o Desmonte da UEP Parnaíba e entenda melhor todo o processo que se arrasta desde 2019:

SINPAF participa de sessão na Câmara de Parnaíba para denunciar desmonte da UEP da Embrapa na cidade

Transferências de empregados da UEP Parnaíba estão ocorrendo por determinação do presidente da Embrapa, afirma gestor da Meio-Norte

SINPAF denuncia desmonte e transferências compulsórias na UEP da Embrapa em Parnaíba

Desmonte da UEP Parnaíba: chefe-geral da Embrapa Meio-Norte quer transferir 55% dos trabalhadores

Embrapa Meio-Norte descumpre determinações da presidência e continua desmonte da UEP Parnaíba

 

Receba notícias direto em seu e-mail:
assine nosso informativo

Fale conosco